Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pimenta com Limão

food styling || recipes || photography

Pimenta com Limão

food styling || recipes || photography

19 de Maio, 2020

Frango Frito Ao Estilo Americano + Receita de Dry Rub

P5140007.jpg

 

A cultura do frango frito nos Estados Unidos não é comparável com mais nenhum lugar do mundo. Não estamos a falar de frango à passarinho ou de asinhas, mas de frango cortado em porções generosas, suculentas e incrivelmente crocantes.

(...) frango cortado em porções generosas, suculentas e incrivelmente crocantes.

Para que o vosso frango fique perfeito não podem ter pressa, se respeitarem o tempo mínimo indicado para as marinadas o resultado é garantido.

Outro conselho é evitarem partes mais secas do frango. Usem carne escura como coxas e sobrecoxas.

A temperatura do óleo é outro ponto chave – 160º na primeira fritura e 180º para finalizar.

Deixo-vos também a receita de um Dry Rub (tempero seco) que é praticamente possível de ser aplicada a qualquer carne e preparação. Usem para frango frito ou no forno, carne de porco grelhada, enfim… experimentem sem medo!

Ingredientes para 2:

2 coxas e 2 sobrecoxas de frango

1 limão cortado em rodelas

100g de farinha de trigo

40g de semolina de milho

10g de amido de milho

1l de água

15g de sal

500ml de kefir natural

1 c. sopa de gengibre em pó

2 folhas de louro

 

Dry Rub:

1 c. sopa de alho em pó

1 c. chá de cebola em pó

½ c. chá de casca de limão desidratada (opcional)

¼ c. chá de piri-piri em pó

1 c. sopa de tomilho seco

¼ c. chá de pimenta preta

1 c. chá de curcuma

1 c. chá de gengibre em pó

2 c. sopa de pimentão doce

1 c. sopa de pimentão picante fumado

¼ c. chá de canela

- Misture bem todos os ingredientes e guarde num recipiente hermético

 

Preparação:

  1. Num recipiente grande junte a água, o sal, o louro, o limão, o sal e o frango. Deixe marinar pelo menos duas horas.
  2. Junte Dry Rub ao kefir na quantidade que desejar. Lembre-se de que esta mistura vai ser o principal tempero do frango.
  3. Passadas as 2 horas retire o frango da água e coloque-o noutra taça com a mistura de kefir e especiarias. Deixe marinar mais duas horas.
  4. Misture a farinha, a semolina e o amido de milho.
  5. Na hora de fritar o frango retire-o do kefir, passe na mistura de farinhas.
  6. Frite primeiro a 160º até estar quase cozinhado, deixe descansar e termine com uma nova fritura a 180º para que fique dourado e crocante.
  7. Polvilhe com mais um pouco de Dry Rub, sal fino e o seu frango está pronto!

 

Como costuma fazer o seu frango frito? Deixe a sua opinião nos comentários!

14 de Maio, 2020

Ceviche De Dourada Com Batata Doce

 

O ceviche é o embaixador da gastronomia peruana por excelência. Muitas vezes é olhado com desconfiança ou tão maltratado que deixa de ser ceviche e torna-se numa papa ácida de peixe não identificado. Vamos tratar o prato com a dignidade que ele merece.

A receita é minha, eu gosto de rabanete e faço o que quiser! Se não gostarem lembrem-se que todos os ingredientes, com exceção da lima, do peixe e dos coentros são opcionais.

Esta receita em particular foge um pouco ao tradicional no que diz respeito ao acompanhamento (tortilhas de milho), e também pela introdução de batata doce diretamente no ceviche – apesar de ser um dos acompanhamentos mais comuns no país de origem. Juntei também rabanete, simplesmente porque sim. A receita é minha, eu gosto de rabanete e faço o que quiser! Se não gostarem lembrem-se que todos os ingredientes, com exceção da lima, do peixe e dos coentros são opcionais.

O mais importante é o método de confeção da marinada – “Leche de Tigre” – e o tempo de “cozimento” do peixe. O peixe só precisa de 40 segundos para cozinhar no ácido da marinada! Não misturem os ingredientes com demasiada antecedência.

Tentem não ficar assustados com a quantidade de limas. Se seguirem duas indicações simples vai ficar tudo bem. Lavem as limas cortadas ao meio em 3 águas e quando as espremerem façam-no apenas uma vez. Isto vai fazer com que o sumo não seja demasiado ácido.

Ingredientes:

300g de dourada cortada em cubos de aproximadamente 2 cm

12 limas, sumo – lembre-se da indicação que deixei no texto acima

1 malagueta fresca, laminada

1 cebola roxa pequena

1 batata doce laranja, média, cortada em cubos de aproximadamente 1 cm

2 rabanetes laminados

1 c. sopa de folhas de coentros

1 c. sopa de talos de coentro picados

1 dente de alho

3 cm de gengibre fresco cortado grosseiramente

4 cm de talo de aipo cortado grosseiramente

Q.b. de sal

Q.B. de pimenta preta

 

Preparação:

Para a marinada:

  1. Junte o sumo de lima, o alho, a malagueta, os talos de coentros, o gengibre, o aipo, uma c. sopa de cubos de peixe, sal e pimenta a gosto.
  2. Reserve cerca de uma hora.
  3. Passada essa hora coe o líquido, separe metade do alho, metade do gengibre, metade do aipo e metade da malagueta e descarte. Volte a juntar os restantes ingredientes ao líquido e triture.
  4. O “Leche de Tigre” está pronto!

Para o Ceviche:

  1. Tempere o peixe com sal e pimenta e reserve alguns minutos.
  2. Junte o peixe, o rabanete, a batata e as folhas de coentros à marinada, deixe “cozinhar 40 segundos e está pronto!
  3. Sirva acompanhado por tortilhas de milho.

 

O que achou da receita? Deixem os vossos comentários!

06 de Maio, 2020

Focaccia de Espelta Integral com Espargos, Azeitona e Tomate Seco

 

Hoje desafio-vos a fazerem uma focaccia. A focaccia é um tipo de pão achatado italiano que se serve frequentemente como entrada (antipasto) e é, segundo recomendação de vários especialistas, a receita perfeita para quem se quer iniciar no intimidante mundo da panificação.

(...)  uns espargos verdes, frescos e gordinhos, umas azeitonas britadas e um tomate seco ao sol, conservado em bom azeite, acompanhe-se com salmão fumado e temos petisco garantido!

Foi a primeira vez que fiz pão, e seguindo então as tais recomendações, decidi atacar a focaccia. Optei por fazê-la de espelta, e já que era para ser “focaccia fancy” que fosse também de espelta integral – mentira, a única farinha que tinha cá em casa era essa e tive sorte de calhar bem!

Junta-se uns espargos verdes, frescos e gordinhos, umas azeitonas britadas e um tomate seco ao sol, conservado em bom azeite, acompanhe-se com salmão fumado e temos petisco garantido!

Nota importantíssima: o azeite usado na receita foi azeite DOP virgem extra transmontano, podem usar outro, mas tenham em atenção a qualidade. Usem o melhor que vos for possível, vai fazer muito pelo bom resultado da focaccia.

Ingredientes:

300g de farinha de espelta integral

220ml de água (sem ser da torneira)

20g de fermento de padeiro fresco

1 c. chá de sal marinho

5 c. sopa de azeite DOP Transmontano, Virgem Extra

2 dentes de alho em puré

Q.b. de pontas de espargos verdes

Q.b. de azeitonas verdes, britadas e descaroçadas

Q.b. de tomate seco

Q.b. de flor de sal

Q.b. de pimenta preta moída na hora

Q.b. de sêmola de milho (opcional) – para polvilhar o tabuleiro

 

Preparação:

  1. Misture o fermento com a água, preferencialmente morna, e deixe ativar por cerca de 10 minutos.
  2. Numa taça grande, junte a farinha, o sal, uma c. sopa do azeite e a água com fermento. Trabalhe a massa até ser passível moldar uma bola. Tape com película aderente ou com um pano e deixe levedar dentro do forno desligado cerca de uma hora. É importante que, no mínimo, duplique o volume.
  3. De seguida transfira a massa levedada para um tabuleiro de forno, previamente untado com azeite e (opcionalmente) polvilhado com a sêmola de milho. Com os dedos, levemente humedecidos em azeite, faça pequenas concavidades na massa, para que ela vá esticando sem perder o ar.
  4. Deixe levedar, tapada e no forno desligado, por mais 30 minutos
  5. Numa taça, envolva com o alho e um pouquinho de azeite os espargos, o tomate e as azeitonas e depois distribua uniformemente pela superfície da massa. Salpique com flor de sal e pimenta preta e regue com o azeite que sobrou.
  6. Leve ao forno, pré-aquecido a 180ºC, cerca de 30 minutos.
  7. A sua fantástica focaccia (quase) saudável está pronta!

O que acharam desta receita? Deixem a vossa opinião nos comentários!

02 de Maio, 2020

Doce Indiano de Cenoura e Pistachio - Gajar Ka Halwa - Versão Vegan

 

E se aquelas cenouras biológicas, lindas, perfumadas e imperfeitas – cenouras verdadeiras – que ficaram esquecidas no frigorífico pudessem ser transformadas em algo exótico, cremoso, doce?

Foi exatamente isso que aconteceu. Encontrei umas cenouras fantásticas e resolvi cozinhar este doce indiano para as fazer brilhar.

A receita original usa ghee (manteiga clarificada) e leite, já fiz e é muito rica e cremosa. Se não tiverem restrições alimentares experimentem!

Gajar Ka Halwa é um doce indiano tradicional, este que vos trago é uma mistura de várias técnicas diferentes que reuni numa mesma receita e que me parece ter resultado bastante bem.
Podem usar leite normal – gordo de preferência – e manteiga em vez de óleo de coco, caso prefiram uma alternativa menos vegan. A receita original usa ghee (manteiga clarificada) e leite, já fiz e é muito rica e cremosa. Se não tiverem restrições alimentares experimentem!

Este doce de cenoura pode ser servido quente ou frio. Eu prefiro quente, acho que frio perde muito do encanto e da magia que é a envolvência entre a cenoura e as especiarias. Provem das duas formas e decidam qual é mais do vosso agrado.

Vamos lá?

Ingredientes:

1kg de cenoura ralada
1l de leite de amêndoa
2 c. sopa de óleo de coco
5 c. sopa de açúcar
1 c. sopa de cajus picados grosseiramente (opcional)
2 c. sopa de pistachios, sem sal, picados grosseiramente
1 c. chá de cardamomo em pó
5 grãos de pimenta da Jamaica moídos na hora
1 pitada de sal

Preparação:

1. Coloquem a cenoura num tacho, adicionem uma pitada de sal e levem a lume médio até começar a libertar água
2. Juntem o açúcar e deixem cozinhar até secar
3. Acrescentem o óleo e coco e mexam bem.
4. Adicionem o leite de amêndoa, as especiarias e os frutos secos
5. Deixem cozinhar, em lume brando e mexendo regularmente, até o leite evaporar e o dece ganhar uma textura cremosa.
5. Sirvam quente ou frio, com um pouco de pistachios picados por cima.

Já conheciam este doce? Deixem a vossa opinião nos comentários.